24 maio 2017

Agora é oficial: Sou uma escritora credenciada!



Oi, ser humano! 

Dias atrás aconteceu algo muito bom comigo e postei na fan page do blog, dizendo que escreveria um post explicando tudo. Bom, eu desativei aquela fan page e resolvi permanecer com a outra que criei, mesmo que ela esteja sem curtidas ainda. Mas vamos direto ao assunto!

Neste mês, conheci a Câmara Brasileira de Jovens Escritores, um projeto incrível que consiste em apoiar a carreira de um escritor, incluindo a sua obra em antologias que são lançadas todos os meses, de forma impressa. Mas não é tão simples assim... 

Primeiro, o escritor precisa ler o regulamento do site, ler sobre as antologias disponíveis no mês e só depois enviar algo pelo e-mail correspondente ao livro em que deseja que a sua obra seja publicada. Após isto, só resta esperar a análise literária que irá considerar se a sua obra é relevante para ser incluída na antologia ou não. Se ela for, em até cinco dias após enviada, seu nome constará na lista de selecionados, senão, sinto muito, terá que tentar nas próximas vezes.

Confesso que ao enviar meus poemas e meu conto (me inscrevi para participar dos três livros), duvidei que conseguiria, pois a câmara reúne muitos escritores já consagrados, com obras lidas por mais de 50.000 pessoas e etc. Mas felizmente, graças ao meu esforço, dedicação à escrita e talento, consegui ser aceita nos três livros!!! 😍

E tem mais! Neste mês, os escritores selecionados receberão medalhas de honra e um certificado de qualidade literária nacional. É claro que fiquei muito feliz e isto fez eu continuar investindo na escrita, tanto que tentarei enviar obras em todos meses.

A única condição que a câmara impõe aos escritores é que eles comprem pelo menos uma edição do livro em que sua obra constar, pois a proposta do projeto é justamente a do escritor ter em mãos algo seu, registrado na biblioteca nacional, com código de barras, ISBN (para registrar no Skoob) e presente em diversas bibliotecas públicas do Brasil e de outros países também. 

Infelizmente não vou poder comprar os três livros em que minhas obras aparecerão, mas irei comprar o de contos, pois trata-se de uma história muito especial para mim. Assim que o livro chegar pelos Correios, vou escrever mais um post ou gravar um vídeo o mostrando e lendo o conto. 

Engraçado que fui a única da minha cidade a participar da câmara, além de ser a mais novinha a ser selecionada por lá (risos). Por isto, aproveitei para tentar realizar um sonho e enviei um formulário para conquistar a vaga da cadeira de Machado de Assis na Academia Muriaeense de Letras, pois agora já tenho obras publicadas em meu nome, mas pode ser que eu não consiga... De qualquer forma, não custa tentar!

Os livros serão lançados dia 20 de julho e assim que ficarem disponíveis para compra, esclarecerei tudinho aqui mesmo, no blog. Por enquanto, este post é apenas para contar a boa notícia e dizer que finalmente posso dizer que sou uma escritora profissional!


20 maio 2017

Motivos para todo escritor amar o Sweek



O sweek é bem conhecido e creio que este post não será novidade, mas mesmo assim achei bacana escrever sobre o que achei deste site maravilhoso.

Existem vários sites cuja proposta é divulgar novos escritores e possibilitar que estes publiquem as suas histórias em suas contas e possam tê-las livres para serem lidas por outras pessoas que escrevem, criando um círculo muito bacana de novos leitores e amigos que estão sempre ajudando com críticas construtivas e elogios. Alguns exemplos são o Fanfiction e o Wattpad. Claro que devem existir mais, mas estes dois foram os que já utilizei. 



Tenho cadastro nos dois sites mas não consegui me firmar em nenhum, pois percebi que apesar da vasta possibilidade de escrever para todos os gêneros, são muito focados em fanfics, além de nos proporcionarem poucas formas de crescimento e visibilidade através de concursos literários, ou seja, os considerei um pouco "amadores". Claro que é uma opinião particular. 

Ignorem o anúncio da Marisa 

Conheci o sweek enquanto navegava no facebook e li sobre um concurso literário organizado pelo Leia Mulheres, cliquei no link do site e fiz um cadastro, mas não participei deste concurso. Apenas em março eu resolvi publicar algo depois que li sobre o concurso literário #Tomorrow e amei, não parei mais. Sabe o que achei mais legal? É que mesmo depois de publicada, nossa história não aparece nas buscas do google, logo, continuam sendo inéditas e não é possível copiá-las. 

Além disto, o sweek está lotado de escritores incríveis e talentosos, muitos já com seus livros publicados na forma impressa, outros que estão sempre lendo coisas novas e interagem sempre com os seus leitores. Lá, escritor e leitor é a mesma pessoa. Acho super legal isto de não se prender no status de "escritor que só é lido e nunca é um leitor de outros que escrevem como ele"  e apoio a causa, pois quando conseguir publicar os meus livros na forma impressa e ter conquistado o meu espaço na literatura, não vou me esquecer de que um dia fui uma leitora e que sonhei com o meu lugar ao Sol. 

Outra vantagem do site é a de conseguir ser lido e acompanhado por pessoas que realmente gostam das suas histórias e não estão lá só porque você pediu. Por fim, se você gosta de escrever, vale a pena ter uma conta no sweek porque diversos concursos literários são lançados em todos os meses por lá e o seu livro tem uma chance de ser destaque em algum, já pensou?

Afinal, um escritor escreve para ser lido e sentido pelas pessoas, pois ele mesmo já está cansado de conhecer a si mesmo. Vamos prestigiar nossos escritores que estão engatinhando, pois um dia eles serão referência no que amam fazer: Escrever! 



Antes de ir, vem ler as minhas histórias, cria uma conta para as suas e comenta aqui que eu lerei com carinho e atenção!






27 abril 2017

Música da semana: Esquadros, de Adriana Calcanhoto

Eu amo o trabalho da Adriana Calcanhoto não é de hoje! 

A sua voz transmite uma suavidade incrível e as suas composições encantam. Além de sua musicalidade, a cantora contribui significativamente com a nossa literatura através de suas gravações de poemas cantados e também da presença de recursos estilísticos da poesia em suas próprias canções. Para mim, ela é completa. Basta Adriana, quietinha em seu banquinho e a sua bela voz. 

Eu queria escrever mais sobre a cantora, mas hoje vou compartilhar no blog uma canção que estou amando ouvir, inclusive até estou estudando ela no violão. Seu nome é Esquadros e Adriana Calcanhoto compôs para o seu irmão chamado Claudio, que é cego. A música faz parte do álbum "Senhas", lançado em 1992.  

Apesar de dedicá-la ao seu irmão, a compositora faz críticas sociais e promove a reflexão à respeito da tolerância e desalienação, pois aborda de forma singela o individualismo humano e a forma como somos "enquadrados" em uma sociedade que acostumou-se a olhar através das janelas de carros, sem reconhecer outras pessoas, a desigualdade e sem serem percebidas de igual forma. 

É uma música linda, de verdade, e me identifiquei inteiramente com a letra. 

26 abril 2017

Praça Vermelha, onde repousa John Reed

fonte


Estou estudando história, nada aprofundado, apenas em um livro do ensino médio que possuo em casa e complemento com vídeos do youtube, além de ler algumas obras que são citadas no livro, porque se eu for ler todas perco um certo tempo de estudo e no momento o meu foco é apenas o de conseguir uma boa nota no enem.

É tão bacana estudar história!!! 💓

Eu realmente gostaria de ter sido mais empenhada no ensino médio, e penso que as escolas públicas deveriam investir mais no treinamento de professores mais capacitados, porque é MUITO INTERESSANTE aprofundar-se nos conhecimentos de mundo. 

Comecei a estudar pela Primeira Guerra Mundial e agora estou estudando a Revolução Russa, que é linda, politicamente "falando". Quero fazer uma série de posts aqui no blog só sobre ela, em seu contexto geral, mas este post aqui é para escrever sobre a Praça Vermelha e a sua Necrópole da Muralha do Kremlin, um cemitério de Moscou. Nela, eram enterradas influentes personalidades soviéticas, como o líder político Stálin, que me decepcionou um pouco. 

Mas por que citei o nome de John Reed no título? Porque ele fora um jornalista norte-americano, longe de pertencer à URSS, mas cujo feito heroico lhe concedeu a honra de ser enterrado bem ali, na Praça Vermelha, perto da Necrópole. Ele fora o único americano a quem tal honra fora concedida. 

Mas o que ele fez?

22 abril 2017

Estaria eu com nojo de Facebook?

Perdoem qualquer erro ortográfico. Estou pelo celular. 


Eu não gostava de facebook quando ele surgiu no Brasil. Sempre gostei mais de escrever em blogs e quando alguém me perguntava se eu tinha facebook, respondia que tinha um blog. Na minha época ( como se eu fosse muito antiga ), as pessoas não sabiam exatamente do que se tratavam os blogs, pois ainda era algo de certa forma "novo" para elas. Percebi que facebook era necessário quando vi que através dele poderia divulgar mais o meu espaço, no caso, meu blog e tudo o que gostava de escrever, além de fotografias e opiniões sobre determinados assuntos. Devo admitir que a rede social possui páginas interessantes e que é possível sim aprender bastante através delas, contanto que saiba utilizar todo o poder de forma sábia.

© e s t r a m b o t i c e s - 2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianca Vieira Paixão.